Resultados exatos
Procurar nos títulos
Procurar no conteúdo
Procurar nos comentários
Search in excerpt
Procurar nas mensagens
Procurar nas páginas
Search in groups
Search in users
Search in forums
Filtrar por tipo
Filter by Categories
ACONTECE
Devocional
Notícias
Palavra dos pastores
Uncategorized
Vida Cristã

Data:

“E tudo quanto pedirdes em meu nome, isso farei, a fim de que o Pai seja glorificado no Filho”. (João 14:13)

A nossa oração é uma petição ao Pai. No Antigo Testamento, encontramos orações de confissão de pecados em que os líderes nacionais clamavam ao Senhor em favor do povo, apelando por Sua misericórdia e bondade, levando em conta os perfeitos atributos de Deus. E assim foi em toda a história da nação de Israel registrada na Bíblia Sagrada. Entretanto, quando Jesus foi enviado ao mundo pelo Pai, vindo cumprir o maravilhoso propósito de salvar o homem perdido e pecador, Ele nos ensinou preciosas lições sobre a oração. Jesus disse que Seus discípulos deveriam orar ao Pai usando o Seu crédito, o Seu próprio nome. “Naquele dia, nada me perguntareis. Em verdade, em verdade vos digo: se pedirdes alguma coisa ao Pai, Ele vo-la concederá em meu nome” (João 16:23).

Aprendemos, então, o caminho para trazer dos céus as bênçãos que nos estão reservadas, conquistadas pela obra de Cristo na cruz do Calvário: a oração feita ao Pai, em nome de Jesus. Isso significa que Jesus nos concede o Seu nome, o Seu crédito para que, por Seus méritos, possamos receber o que precisamos. Esse ensino nos remete à história de Jacó e Esaú, em Gênesis 27, quando o irmão mais novo recebe a bênção do mais velho. A bênção de primogênito seria dada a Esaú por seu pai, Isaque. Ele o mandou ir à caça e preparar uma comida saborosa para que, após comê-la, o pai pudesse abençoar seu filho com a bênção patriarcal. Esaú sai ao campo para caçar, e Rebeca, sua mãe, ao ouvir as palavras de Isaque, chama Jacó para que se prepare para receber a bênção da primogenitura. Jacó argumenta o fato de que seu pai perceberia que não era Esaú, pois eles eram muito diferentes fisicamente. Enquanto Esaú era muito peludo, até mesmo no pescoço e nas mãos, Jacó, ao contrário, era liso. É claro que o pai saberia que não era seu filho Esaú, mas Jacó. Entretanto, Rebeca tinha um plano em mente. Esse plano ilustrará a nossa vida espiritual em relação às nossas orações.

Rebeca manda que Jacó traga dois cabritos cevados e prepara a comida saborosa para seu pai, conforme ele gostava. E veste seu filho com as roupas do irmão mais velho. Ela toma a pele dos cabritos e forra com ela a lisura do pescoço e das mãos de Jacó. E ele se apresenta a seu pai, dizendo: “Meu pai! Ele respondeu: Fala! Quem és tu, meu filho? Respondeu Jacó a seu pai: Sou Esaú, teu primogênito; fiz o que me ordenaste. Levanta-te, pois, assenta-te e come da minha caça, para que me abençoes. Disse Isaque a seu filho: Como é isso que a pudeste achar tão depressa, meu filho? Ele respondeu: Porque o SENHOR, teu Deus, a mandou ao meu encontro. Então, disse Isaque a Jacó: Chega-te aqui, para que eu te apalpe, meu filho, e veja se és meu filho Esaú ou não. Jacó chegou-se a Isaque, seu pai, que o apalpou e disse: A voz é de Jacó, porém as mãos são de Esaú. E não o reconheceu, porque as mãos, com efeito, estavam peludas como as de seu irmão Esaú. E o abençoou” (Gênesis 27: 20-23).

Vemos que Isaque abençoou seu filho Jacó, reconhecendo sua voz, porém identificando o sinal das mãos como sendo as de Esaú. Jacó foi abençoado porque “as mãos eram de Esaú”, peludas. Na verdade, um animal fora sacrificado para cobrir a lisura das mãos de Jacó, assim como Jesus Se deu por nós em sacrifício para cobrir nossas faltas, nossos pecados. O sinal das mãos de Jesus foi feito pelos cravos na cruz do Calvário. É como se nos apresentássemos perante o Senhor, em oração, e Ele nos perguntasse: “Quem é você, meu filho?”. E nós, vestidos com as vestes de Cristo, tendo sobre nós o Seu perfume, Seu cheiro de santidade e Suas mãos perfuradas pelos cravos cobrindo as nossas, ouvíssemos o Pai dizer: “A voz é de um pecador, mas as mãos são de meu amado Filho Jesus”. E, por amor a Jesus, o Pai nos daria o que pedíssemos, o que precisássemos.

Com o crédito de Jesus, temos os céus abertos para nossas orações. E podemos trazer dos tesouros celestiais: cura, milagres, suprimento, libertação, paz, salvação e tantas bênçãos. O preço pago pelo Senhor na cruz foi muito alto e pode pagar com crédito ilimitado todas as bênçãos das quais carecemos. Podemos nos achegar com confiança diante do Pai. Tudo já está pago. O Pai se alegra em nos suprir por Cristo Jesus. Portanto, chegue-se a Deus na sala do Trono e ouse pedir ao Pai a salvação, o perdão, a Sua graça e a Sua misericórdia para você, para sua família, sua cidade, seu país e para todas as pessoas em todas as nações.

Ore em nome de Jesus, o nosso irmão mais velho, o único digno de receber tudo do Pai por Sua obediência e absoluta perfeição. Experimente orar com entendimento e humildade, “vestido com a justiça de Cristo”. Por meio da nossa oração “em nome de Jesus”, o Pai é glorificado no Filho, e a terra recebe as dádivas dos céus. Portanto, vá agora aos tesouros celestiais, traga para a terra o suprimento para sua vida, receba do Pai o que há de mais precioso: a bênção do Senhor, que enriquece e não acrescenta dores, em nome de Jesus.

:: PRª. ÂNGELA VALADÃO

FONTE: Lagoinha

CategoriaVida Cristã
Topo
Compartilhar: