Resultados exatos
Procurar nos títulos
Procurar no conteúdo
Procurar nos comentários
Search in excerpt
Procurar nas mensagens
Procurar nas páginas
Search in groups
Search in users
Search in forums
Filtrar por tipo
Filter by Categories
Devocional
Notícias
Palavra dos pastores
Uncategorized
Vida Cristã

Data:
chad-kirchoff-144869-unsplash-1024x576

“Entrem por suas portas com ações de graças, e em seus átrios, com louvor; deem-lhe graças e bendigam o seu nome.” (Salmos 100:4)

Louvar a Deus não é entoar-lhe cânticos uma vez por semana. O louvor deve ser o que você faz a caminho do trabalho, da escola ou da loja. É o que faz quando a pia da cozinha entope, o pneu do carro fura, quando você adoece ou perde as chaves pela quadragésima vez. O louvor deve ser uma atitude contínua do coração, que não se altera, apesar das mudanças em sua vida.

Não se trata de algum tipo de pensamento positivo. Significa, isto sim: “Não se deixe afundar até o nível do problema; erga-se ao nível da solução”.

Ao atingir o ponto em que o louvor brota automaticamente, sem se importar com o que está acontecendo, você conhecerá a Deus com mais intimidade. Quando fizer isso, não conseguirá deixar de louvá-lo.

É fácil louvar a Deus quando grandes coisas ocorrem. Mas, e quando tudo está dando errado? Se culpar outros, a si mesma ou a Deus, só vai complicar o problema. Recuse-se a reagir às dificuldades segundo a visão da carne e vá para a esfera do espírito, louvando a Deus. Quando sua primeira reação aos acontecimentos for louvar a Deus por quem ele é, estará convidando-o a agir, com seu poder de mudar as coisas. Esse é o poder oculto do louvor a Deus.

Deus deseja que você o exalte, e não os seus problemas. Não quer dizer tentar convencer-se de que os problemas não existem. Significa que está afirmando: “Embora eu tenha esses problemas, sei que tu, Senhor, és maior que eles. Em ti encontro tudo de que preciso e decido exaltar-te acima de tudo o mais”.

Fonte: Diante do Trono

CategoryDevocional
Topo
Compartilhar: