Resultados exatos
Procurar nos títulos
Procurar no conteúdo
Procurar nos comentários
Search in excerpt
Procurar nas mensagens
Procurar nas páginas
Search in groups
Search in users
Search in forums
Filtrar por tipo
Filter by Categories
Devocional
Notícias
Palavra dos pastores
Uncategorized
Vida Cristã

Data:
zoysqhrfok4-toa-heftiba-1024x683

Vivemos preocupados com a possibilidade de acessos indevidos às nossas residências. Por isso, colocamos muros, grades, cercas elétricas, travas, trancas, sensores, alarmes, câmeras e cães. Mas como está nossa segurança espiritual?

Muitos se preocupam com olho gordo, feitiço e objetos consagrados, mas a nossa preocupação não deve ser com essas coisas. Há quem queira se proteger com ferradura, pé de coelho, sal grosso, rosa ungida e outros amuletos, mas precisamos saber o que a Bíblia nos ensina sobre os verdadeiros riscos e proteções. Deus disse a Caim: “O pecado jaz à porta, e sobre ti será o seu desejo, mas sobre ele deves dominar” (Gênesis 4.7). Esse é o ponto principal da questão. O mal não invade nossas vidas por acaso ou sem razão, mas entra pela porta. O acesso se dá por meio de permissões e tolerâncias indevidas. Hoje em dia, as portas se abrem com um click, uma palavra, um olhar.

Está escrito: “Não deis lugar ao Diabo” (Efésios 4.27). Ele pode ser ladrão, mas não é arrombador. O ser humano decide se abre a porta ou não. Satanás não pode nos destruir, a não ser que permitamos. Deus poderia ter dito a Caim: “Deixa que eu resolvo. Colocarei todos os anjos à sua volta”. Não foi assim. Se alguém entrar na minha casa, a culpa não é da polícia. Existe uma proteção angelical ao nosso redor (Salmo 34.7), mas, quando o assunto é pecado, a responsabilidade é nossa. O pecado dá direitos a Satanás. Em seguida, sua atuação dependerá de cada caso específico, variando de opressão à possessão.

Diante dos atuais aparatos de segurança, os ladrões usam artifícios para conseguirem o acesso desejado. O intruso pode vir disfarçado, com uma roupa bonita, um sorriso no rosto e um presente nas mãos. “E não é maravilha, porque o próprio Satanás se transfigura em anjo de luz” (2Co 11.14). Ele oferece vantagens e prazeres.

A Bíblia diz que o Diabo entrou em Judas Iscariotes (Lucas 22.3; João 13.27). Embora estivesse perto de Jesus, aquele discípulo deu lugar ao maligno. A porta estava aberta, pois ele roubava o dinheiro das ofertas e nunca se arrependeu nem pediu perdão (João 12.6). Judas perdeu todas as oportunidades de conserto.

O inimigo pode parecer um visitante agradável, mas, depois que entra, não quer sair mais, principalmente quando é convidado em rituais de ocultismo. Ele é como um vírus invisível e letal que se instala no organismo para levá-lo à morte. Mesmo quando são expulsos, os demônios fazem de tudo para voltar (Mateus 12.43).

Portanto, feche a porta para o mal e abra para Cristo, que nos diz: “Eis que estou à porta e bato. Se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele e ele comigo” (Ap 3.20). Portanto, receba-O na sua vida hoje mesmo. “A todos quantos O receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que creem no Seu nome” (João 1.12). Jesus limpa a casa e coloca o inimigo para fora.

Quando Deus instituiu a Páscoa, os israelitas foram ordenados a passarem o sangue do cordeiro nos umbrais de suas portas. Assim, o anjo da morte não poderia entrar em suas casas. O sangue de Jesus é a nossa proteção. Devemos evitar o pecado a todo custo, mas, se ele acontecer, a solução está no arrependimento e na confissão, antes que seja tarde (1João 1.7,9; 2.1). Nossas escolhas, decisões, palavras e ações são portas abertas ou fechadas. Escolha o bem. Escolha Cristo todo dia.

:: PR. ANÍSIO RENATO DE ANDRADE

FONTE: Lagoinha

CategoryVida Cristã
Topo
Compartilhar: